Cine & Pipoca: Tempos Modernos

Olá pessoal, fiquei alguns dias sem postar alguma coisa, mas, aproveitando o dia de hoje, postarei uma dica para os amantes do universo cinematográfico. Bom, assisti ao filme indicado neste post uma vez e simplesmente achei bárbaro, não só porque foi o primeiro que assisti do Charlie Chaplin, mas porque a ideia do filme é muito boa (crítica ao capitalismo exacerbado) e é totalmente atemporal, ou seja, serve para os dias de hoje em que o capitalismo está cada vez mais voraz, creio que muito mais do que na época em que se passa o filme (grande crise financeira da década de 30).
Enfim, deixo aos estimados leitores informações sobre o filme além da recomendação para que o mesmo seja assistido, por quem puder, porque é muito bacana mesmo! Espero que gostem da dica :)
Obs: Segundo algumas informações o filme foi, na época de seu lançamento, proibido na Itália e na Alemanha, alguém aí tem dúvidas sobre os motivos? [ironia]

Ficha técnica:
Título Original: Modern Times
Título Nacional: Tempos Modernos
Gênero: Comédia
Direção: Charlie Chaplin
Roteiro: Charlie Chaplin
Elenco: Allan Garcia, Charlie Chaplin,
Chester Conklin, Hank Mann, Henry Bergman,
Louis Natheaux, Paulette Goddard
Produção: Charlie Chaplin
Fotografia: Ira H. Morgan, Roland Totheroh. Totheroh
Trilha Sonora: Alfred Newman, Charlie Chaplin
Duração: 89 min.
Sinopse: Um operário (Charlie Chaplin) tenta sobreviver em meio ao capitalismo desenfreado e ao constante ritmo frenético da linha de produção de uma entre tantas indústrias localizadas no centro urbano de uma grande metrópole. Contudo, esse mesmo operário, alienado pela crescente necessidade de adequar-se ao sistema capitalista, onde o lucro, acima de qualquer coisa, é mais importante do que as vidas humanas, acaba passando por uma crise nervosa, devido ao regime de semiescravidão ao qual é submetido por causa das longas horas trabalhadas, sendo hospitalizado e, após receber alta médica, ficando sozinho e desempregado, uma vez que a crise financeira levou muitas fábricas à falência.
Paralelo o drama do operário, uma jovem se vê incumbida de roubar alimentos para suprir a fome das irmãs menores e do próprio pai que, assim como tantos outros, também se vê desempregado em decorrência da crise financeira. Logo quando o pai da jovem morre numa manifestação, agentes do governo vão buscá-la juntamente com suas irmãs menores, porém a jovem foge e passa a viver nas ruas. Enquanto isso, o operário desempregado (Chaplin), acaba sendo confundido com um líder comunista, sendo preso pela polícia. Ironicamente o operário sente-se mais bem acolhido na prisão, assim, quando acaba solto por boa conduta, começa a fazer de tudo para voltar ao local onde se sentiu tão bem até que se envolve numa confusão onde decide se entregar as autoridades no lugar da jovem órfã que havia fugido da polícia para viver nas ruas.
Operário e jovem órfã se apaixonam e, em meio ao choque entre classes, a pobreza e ao aumento da criminalidade, ambos decidem tentar sobreviver no crescente caos da crie financeira até que, mais uma vez, acabam fugindo das autoridades logo após a polícia ter reconhecido, num salão de música, a jovem a quem estavam procurando há algum tempo.
Crítica
Tempos Mornos é considerado um marco do cinema, não só por ter a brilhante atuação de Charlie Chaplin em seu último trabalho para o cinema mudo, mas porque traz a tona questões sociais vigentes da época, como a substituição do homem pela máquina nas grandes indústrias, bem como a pobreza das classes menos abastadas e, também, o modo como o capitalismo explorava o trabalhador e propiciava conforto à burguesia.
O sonho de se viver bem, ou seja, numa moradia decente onde a fartura sempre estivesse presente também é retratado no filme que constantemente faz um apelo social ao mesmo tempo em que critica duramente os modelos capitalistas onde o ritmo de trabalho é ditado pelo capitalista, que em Tempos Modernos é retratado de forma parasitária, totalmente entregue a rotina de comandar a velocidade do trabalho que, neste caso, se dá por meio do acionamento de uma esteira que, dada parte do filme, acaba por engolir o operário, transformando-o, metaforicamente, em apenas em mais uma de suas engrenagens.
Em relação a parte final do filme, observa-se a existência de uma mensagem de esperança, muito embora ela não seja necessariamente aplicável ao consciente coletivo e sim ao consciente individual de um homem que não se deixou levar pela lógica capital e que, portanto, ainda crê que haverá tempos melhores, seguindo, por conseguinte, rumo à sobrevivência ou subsistência diante da máquina capitalista que, irremediavelmente, parece querer engolir a todos.
Curiosidades

·   Supostamente Tempos Modernos seria o primeiro filme de Charlie Chaplin que utilizasse inteiramente um sistema de som. Entretanto, no filme apenas pode-se ouvir ruídos quando vozes são ditas por avisos de máquinas. Esta mudança foi feita pelo próprio Chaplin para tornar o som um símbolo da tecnologia e da desumanização no filme.
·         Em Tempos Modernos ocorre a última aparição de Charlie Chaplin como vagabundo.
·         Todas as canções de Tempos Modernos foram compostas pelo próprio Charlie Chaplin.
Fonte: Adoro Cinema

Trailer não legendado

Comentários

  1. Gostei da dica Lucy. Já tinha ouvido falar desse filme e achei bem interessante. Vou anotar a sugestão. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse filme é muito bacana mesmo. Recomendo com a certeza de que você irá gostar quando assisti-lo :)

      Excluir
  2. Olá Lucilene,

    O filme parece bastante interessante. Um clássico, eu diria. Mas sinceramente não sei se seria muito meu estilo.

    Abraços,

    http://milvidasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meta de leitura 2016

Expressões idiomáticas ao pé da letra

Night Huntress - informação sobre a série