Dicas para uma escrita eficaz

Olá caros leitores, fazia tempo que estava atrás de um texto que li certa vez na edição 27 da revista Língua Portuguesa, publicada em 2007. O texto em questão é muito criativo e traz dicas infalíveis para quem quer se aprimorar na arte de escrever. Esse texto, de acordo com o publicado na revista, seria um spam de autoria de Nilo da Silva Moraes. Enfim, a seguir a transcrição do texto com as dicas para uma escrita eficaz. Espero que apreciem.

*Vc. Deve evitar ao Max abrev., etc.

*Desnecessário faz-se empregar estilo demasiadamente rebuscado na escrita, segundo conhecimento inexorável dos copidesques. Tal prática advém de esmero excessivo que beira o exibicionismo narcisístico redundante...

*Pleonasmos são desnecessários. Vou sonhar um sonho e subir para cima do meu ideal para que todos falem um dia sem usar nenhum pleonasmo.

*“Não esqueça das maiúsculas”, como já dizia dona Loreta, minha professora lá no colégio rosário, na independência.

*Evite lugares-comuns assim como o diabo foge da cruz.

*O uso de parênteses (mesmo quando for relevante) é desnecessário.

*Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.

*Chute o balde no emprego da gíria, mesmo que sejam maneiras, tá ligado?

*Palavras de baixo calão podem transformar o seu texto numa merda. Parece coisa de veado.

*Nunca generalize: generalizar em todas as situações é sempre um erro.

*Evite repetir a mesma palavra, pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra faz com que ela, a palavra repetida, desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.

*Não abuse das citações. Como costumava dizer meu amigo: “Quem cita os outros não tem ideias próprias.

*Frases incompletas podem causar um...

*Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez. Em outras palavras, não fique repetindo a mesma ideia indefinidamente.

*Seja mais ou menos específico, ou mais antes pelo contrário.

*Frases com apenas uma palavra? Nunca.

*A voz passiva deve ser evitada.

*Use a pontuação corretamente o ponto e a vírgula especialmente a esta última deve corretamente empregada ou será que ninguém a não ser eu sabe empregar corretamente o ponto de interrogação

*Eu um cara inteligente sei que o aposto fica sempre entre vírgulas.

*Conforme recomendado a AGOP, nunca use siglas desconhecidas.

*Exagerar é cem bilhões de vezes pior que a moderação.

*Evite mesóclises. Repita comigo. “Mesóclises? Evitá-las-ei!”

*Analogias, na escrita, são tão inúteis quanto chifres em cabeça de cavalo.

*Não abuse das exclamações! Nunca! Nunca! Seu texto fica horrível! Horrível!

*Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língua portuguêza.

*Seja incisivo e coerente, ou não.

*Não fique escrevendo no gerúndio. Você vai deixando seu pobre texto causando ambiguidade, ficando com a sensação de que as coisas estão acontecendo.

*Evite frases exageradamente longas, pois estas dificultam a compreensão da ideia contida nelas, e, consequentemente, por conterem mais de uma ideia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçando a torná-las incompreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases curtas.

*Evite uso cacófatos. Veja que lindo poema como prova de que há saída para uma bela rima: “Nunca houve tão bela, quando abriu a boca dela.”

*Mas bá! Outra barbaridade que tu também deves evitar, é usar muitas expressões que denunciem a região onde vives, tchê!

Comentários

  1. MARAVILHA DE POST! Não estou exgerando!
    Obrigado!
    Abraço fraterno do Almir.
    BLOG "VIVA A VIDA!"

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lu!

    O Almir entende do asunto, heim?

    Também achei SHOW!

    Bjão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meta de leitura 2016

Expressões idiomáticas ao pé da letra

Uma lição sobre o suicídio