Li e recomendo: E não sobrou Nenhum

Olá estimados leitores, aproveitando que hoje ainda é final de semana, a seguir apresento a  resenha de um livro que li faz pouco tempo, mas que gostei muito. Bom, na verdade sou suspeita para escrever qualquer coisa sobre Agatha Christie, afinal a considero a melhor na escrita de romances policiais... Enfim, fica a dica de livro para quem deseja começar a semana lendo. 


O julgamento chega para todos, resta saber quem ficará vivo depois dele

“E não Sobrou Nenhum” ou “O Caso dos Dez Negrinhos” (Agatha Christie - 390 páginas - Globo) mostra, mais uma vez, como a “Rainha do crime” ou “Duquesa da Morte” tem um talento nato para desenvolver histórias cujos finais nunca podem ser previstos pelos leitores.   
Assim, seguindo essa linha de raciocínio de casos insolúveis, em “E não Sobrou Nenhum” o leitor pode acompanhar a trajetória de dez pessoas diferentes entre si que são convidados a passarem alguns dias numa ilha localizada ao largo da costa de Devon, sem ao menos imaginarem que, em realidade, estão indo diretamente para uma emboscada, possibilidade que é somente cogitada quando todos os personagens são acusados de terem cometidos crimes a partir de uma gravação misteriosa advinda de um antigo gramofone escondido num dos cômodos da suntuosa mansão em que estão hospedados. 
Passado o choque em decorrência das acusações proferidas na gravação misteriosa, todos os personagens se reúnem a fim de descobrirem quem estaria por trás da suposta brincadeira de mau gosto e logo chegam à conclusão de que caíram numa armadilha onde eles serão julgados por supostos crimes cometidos no passado. Desse modo, logo quando as primeiras mortes começam a acontecer, o clima de tensão e medo toma conta dos personagens e eles não demoram tanto para perceberem que as mortes estão estranhamente relacionadas com um antigo poema infantil presente em cada quarto da mansão.
Um ponto interessante no romance é o fato de que a maior parte dos capítulos são como pontos de vistas de cada personagem que veem de formas variadas os bizarros acontecimentos que se sucedem na ilha, o que não só confunde o leitor como pode levá-lo ao erro, muito embora na maior parte do tempo a resposta para o enigma esteja “evidente”. Outra questão a ser considerada é o fato de que muitas vezes as pessoas se escondem atrás de máscaras imaginando que jamais os erros cometidos serão descobertos até que a verdade vem à tona e as consequências da revelação de tal verdade pode fazer com que essas mesmas pessoas assumam comportamentos animalescos diante da possibilidade de serem julgadas, algo que é bastante visível nos personagens que, em sua maioria, são comparados a animais até que, em certa parte da história, tais características animalescas que lhes são atribuídas se acentuam. 
É válido mencionar que “E não sobrou nenhum”, além de ser um livro bastante diferente dos já escritos por Agatha Christie, também pode ser encarado como um thriller de terror por misturar elementos não só característicos do romance policial, mas também elementos sobrenaturais, como, por exemplo, a maneira como os personagens ao longo da trama experimentam a sensação de estarem sendo vigiados por uma estranha presença, talvez inumana, ou os fantasmas do passado de cada um deles que parecem tomar vida na isolada ilha, além, é claro, do próprio fato do isolamento e da impossibilidade de escaparem dele como de seus próprios destinos. 
Pelos motivos anteriormente apresentados, ler “E não Sobrou Nenhum” pode ser uma boa pedia para os amantes da literatura policial, em especial os amantes das histórias de Agatha Christie, que não se decepcionarão com esse bom suspense policial, e também para aqueles que buscam, além da tensão presente do início ao fim da narrativa, um desafio; afinal, em se tratando da “Rainha do Crime”, é quase certo que o leitor não descubra o responsável pelos bizarros acontecimentos que norteiam suas histórias sempre muito bem desenvolvidas.

Comentários

  1. Oi, Lu!

    Gostei da resenha e fiquei curioso para ler este livro. Já li dois livros de Agatha Christie, agora quero ler este também. rsrs

    bjão.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oi Lucy, adorei sua resenha!! Já li esse também, e particularmente, é um dos meus preferidos da Aghata, também super recomendo!! =) bjoo's

    http://limitedaalma.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meta de leitura 2016

Expressões idiomáticas ao pé da letra

Night Huntress - informação sobre a série